segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

(...)



“As pessoas acham que a alma gêmea é o encaixe perfeito,
e é isso que todo mundo quer.
Mas a verdadeira alma gêmea é um espelho:
a pessoa que mostra tudo que está prendendo você,
a pessoa que chama a sua atenção para você mesmo,
para que você possa mudar a sua vida.
Uma verdadeira alma gêmea é provavelmente
a pessoa mais importante que você vai conhecer,
porque elas derrubam as suas paredes
e te acordam com um tapa.
Mas viver com uma alma gêmea para sempre?
Não! Dói demais.
As almas gêmeas só entram na sua vida
para revelar a você uma outra camada de você mesma,
e depois vão embora.“

[Comer, rezar, amar]

DO QUE NÃO ACABA NUNCA


E lendo um pouco de Caio F. antes de dormir, encontrei esse trecho que me deixou com vontade de postar.
Tão lindo... tão doce...
Aí vai:

- Quando a noite chegar cedo e a neve cobrir as ruas,
ficarei o dia inteiro na cama pensando em dormir com você.
- Quando estiver muito quente, me dará uma moleza de balançar devagarinho na rede pensando em dormir com você.
- Vou te escrever carta e não mandar.
- Vou tentar recompor teu rosto sem conseguir.
- Vou ver Júpiter e me lembrar de você.
- Vou ver Saturno e me lembrar de você.
- Daqui a vinte anos voltarão a se encontrar.
- O tempo não existe.
- O tempo existe, sim, e devora.
- Vou procurar teu cheiro no corpo de outra mulher.
Sem encontrar, porque terei esquecido. Alfazema?
- Alecrim. Quando eu olhar a noite enorme do Equador, pensarei se tudo isso foi um encontro ou uma despedida.
- E que uma palavra ou um gesto, seu ou meu, seria suficiente para modificar nossos roteiros...

sábado, 29 de janeiro de 2011

DO DOCE ESQUECIMENTO




"Às vezes me lembro dele,
sem rancor, sem saudade, sem tristeza.
Sem nenhum sentimento especial
a não ser a certeza de que,
afinal, o tempo passou.
Nunca mais o vi, depois que foi embora.
Nunca nos escrevemos.
Não havia mesmo o que dizer, ou havia?
Ah, como não sei responder as minhas próprias perguntas!
É possível que, no fundo,
sempre restem algumas coisas para serem ditas.
É possível também que o afastamento total
só aconteça quando não mais restam essas coisas
e a gente continua a buscar, a investigar —
e principalmente a fingir.
Fingir que encontra.
Acho que, se tornasse a vê-lo, custaria a reconhecê-lo."

[Caio F.]

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

À Noite Sonhei Contigo - Paula Toller ao vivo - DVD NOSSO



... foi assim desse jeito!
Relembrar da saudade, e saudade a gente mata...
=/

sábado, 8 de janeiro de 2011

SOBRE AS DORES DE CADA UM


Gosto tanto dessa passagem de Pequena Epifania por Caio F.
Hoje é dia de escrever sobre ela:
"...um amigo me chamou para ajudá-lo
a cuidar da dor dele.
Guardei a minha no bolso.
E fui."
.
.
.
.
... porque é assim que tem de ser!

Nem sei se é erro ou não esquecer um pouco de mim
ou quase sempre para cuidar dos que amo.
Não sei ver sofrimento,
não sei ver dor,
não sei ver injustiça,
não sei ver tristeza,
não sei ver choro,
não sei ver nada que traga dor intensa...
Mas preciso exercitar a arte
de compartilhar as minhas coisas,
vou guardando,
guardando e
algumas pessoas não compreendem.
Sou esquisita mesmo,
gosto de curtir meus problemas sozinha,
ir até o fundo do poço pra submergir sozinha.
Aprendi com a vida a ser assim (nem sempre fui... ).
Será que está na hora de rever tais conceitos?
E se o que for dor pra mim não for para quem vai ouvir?
Até nisso penso...
"ahh... não vou ficar enchendo ninguém
com minhas coisas porque isso pode até ser ridículo.."
Mas quem sou eu pra mensurar minhas próprias dores ???
E se em algum lugar tiver um amigo de verdade que faça como eu??
Disposto a me ouvir e ter sempre algo de bom que
me faça ver a vida de outra forma =/
Queria um amigo como eu (modesta??)
não! realista...
Mas sabe, no fundo no fundo,
gosto muito de ser assim.
Não sei ser diferente... INdiferente como disse acima.
É bom também ouvir dos outros coisas do tipo:
"Você é um anjo de prontidão!!"
O reconhecimento do que fazemos pelo outro
é bom para o nosso próprio crescimento pessoal.
Me perdoem alguns amigos se falhei
de alguma forma algum dia, não sou de ferro.
Pode ter certeza que quando isso aconteceu,
eu não estava indiferente a sua dor,
eu só estava sentindo uma dor tão grande
que não cabia dentro do meu bolso,
como fazia o grande Caio...
Beijos a todos e bom sábado